domingo, 17 de junho de 2012

A pratica e o prazer pela profissão fazem o vendedor




A pratica e o prazer pela profissão fazem o vendedor

     Quando alguém possui qualidade e característica por uma determinada profissão, a pratica acaba tornando-se uma grande escola, onde o aprendizado é mais rápido; o interesse flui automaticamente e por fim, há uma vontade interior em se aperfeiçoar sempre.

     Era adolescente (14 anos), o meu primeiro emprego foi numa loja de calçados e confecções. Era comercio de pequeno porte, onde trabalhavam o patrão e mais 2 funcionários. Nunca havia trabalhado no comercio, mas logo ao iniciar me senti muito bem em atuar com o público.

     Meu empregador possuía muito conhecimento na área de vendas e exigia dos seus funcionários (vendedores) bons atendimentos aos clientes. Enfim, ele era um bom vendedor e por, conseguinte, um excelente professor, pois nos  ensinava, mas ao mesmo tempo determinava resultados.

     Como ainda eu era bem jovem e nunca havia trabalhado como vendedor, sempre estava a observar como meu patrão e os outros vendedores abordavam os clientes e procurava aprender com eles.

     Normalmente, o cliente entrava na loja, aproximava da vitrine do produto que estava interessado, ou seja, ficava olhando a vitrine de vestuários ou calçados. Então, o primeiro passo fundamental era cumprimenta-los com um sorriso agradável e observar o interesse do cliente, a partir de então, convidava-o a conhecer outros modelos de vestuários ou calçados, mas sempre o respeitando e tomando cuidado para não me tornar aquele vendedor chato.

     A partir das observações do ciente respondia suas duvidas como também, acrescentava mais informações inerentes ao produto desejado, sempre no intuído de despertar o interesse pela compra. Muitas vezes, uma observação, um pequeno comentário pode ser um detalhe importante para efetuar uma venda.

     Outras vezes, o cliente vinha até a loja para efetuar pagamentos, e logo em seguida, procurava saber se o cliente não estava precisando de algum outro produto. Aproveitava para falar e caso o cliente interessasse, mostrava as novidades como novos calçados, vestuários, etc. Enfim, a partir da reação do cliente fazia minha abordagem de vendas.

     Algo que sempre procurei melhorar e aprimorar foi à qualidade do atendimento, ou seja, sempre sorrindo, alegre e criando um clima hospitaleiro e de cordialidade com o cliente, pois, sabia que agindo assim, conquistaria o carinho, respeito e sempre que o cliente viesse à loja gostaria de ser atendido por mim. Tinha em mente que à medida que conquistava confiança e carinho dos clientes, certamente, estaria com meu emprego garantido como também aumentando meu salário, já que era comissionado.

     Um outro detalhe que observava muito era como os representantes abordavam meu patrão, isto é, ficava atendo de como eles conversavam e assim, aprendia algumas técnicas de vendas, pois meu patrão era um excelente comprador, estava afinado com a moda, sendo assim, exigia dos representantes muita habilidade para vender.


     Enfim, foram mais de 8 anos trabalhando nesta empresa e isto me deu uma grande base para atuar em vendas, haja vista que procurei sempre aprender e colocar em pratica nesta profissão a qual atuo até hoje.



Ataíde Lemos
Escritor e poeta