terça-feira, 16 de novembro de 2010

Vendedor e Comprador



Uma das reclamações que sempre ouço por parte de meus colegas vendedores está relacionado ao atendimento recebido pelos clientes, ou seja, muitos colegas de pastas dizem; “tal comprador dá chá de cadeira”, outros dizem que alguns compradores são rudes demais e outros ainda que tem compradores que só sabem pechinchar.

Seria maravilhoso se ao visitarmos o cliente, abríssemos nossos mostruários e ele pedisse para anotar de A a Z sem perguntar o preço. Seria maravilhoso se ao chegarmos no cliente não houvesse outros aguardando e fossemos atendidos de imediatos. Também bom seria se todo comprador nos atendesse com delicadeza sendo gentis conosco, afinal, nós vendedores estamos levando lucro para ele. Pois bem, seria muito bom se fosse assim, mas não é e nunca será.

Já perdi muito tempo questionando estas atitudes por parte dos compradores quanto a nós representantes, no entanto, a conclusão que cheguei foi que, sou eu quem precisa adaptar aos clientes e não eles a mim, ou seja, se começar a deixar de visitar tal cliente porque pechincha muito, ou porque perco muito tempo nele ou ainda por ser rude demais logo não terei mais clientes para visitar.

A partir de uma analise cheguei ao entendimento que, da mesma maneira que tal comprador me atendia era o jeito que atendia a todos os vendedores, ou seja, aquele comprador pechincheiro comigo fazia o mesmo com o outro. O mesmo cliente que eu ficava horas para ser atendido era o procedimento com os outros e na maneira rude de ser procedia também com os demais vendedores, em suma, a abordagem do comprador e seu comportamento fazem parte da sua personalidade e isto não muda, portanto o vendedor é quem precisa se adequar à personalidade do comprador e assim, atingir seus objetivos que são os pedidos.

Enquanto alguns vendedores acabam deixando de visitar certos clientes outros estão faturando alto com ele. O vendedor inteligente é aquele que tem e vê nos olhos do comprador o símbolo do cifrão, ou seja, aquele que sabe que quem faz o seu salário é o cliente e assim, aprende a lidar com as adversidades de cada situação. Outro fato interessante é que na medida que o vendedor se adapta ao cliente com o tempo passa a não mais perceber as atitudes negativas do comprador, pois constrói mecanismos para superar as diversas rejeições, adaptando-se a sua personalidade.


Ataíde Lemos

Escritor, poeta, palestrante
e Representante Comenrcial